AGENDE UMA CONSULTA
(51) 3024.4665

Um novo estudo conduzido por especialistas do Instituto de Pesquisa do Centro de McGill University de Saúde (RI-MUHC) e da Universidade McGill examina a relação entre o peso corporal e expectativa de vida. Os resultados mostram que os indivíduos com sobrepeso e obesidade têm a diminuição em sua expectativa de vida em até oito anos. O estudo, publicado na última edição da revista The Lancet Diabetes e Endocrinology, demonstra ainda que, quando se considera que essas pessoas também podem desenvolver diabetes ou doença cardiovascular mais cedo, o excesso de peso pode roubar-lhes quase duas décadas de vida saudável.

A pesquisa utilizou dados do National Health and Nutrition Examination Survey (de 2003 a 2010) para desenvolver um modelo que estima o risco anual de diabetes e doença cardiovascular em adultos com pesos diferentes. As informações de quase 4 mil voluntários também foram utilizadas para analisar a contribuição do excesso de peso corporal aos anos de vida perdidos e qualidade de vida.

A descoberta estima que indivíduos muito obesos possam perder até oito anos de vida, indivíduos obesos podem perder até seis anos, e aqueles que estão acima do peso podem perder até três anos. Além disso, o período de vida saudável perdido era duas a quatro vezes maiores para os indivíduos com sobrepeso e obesos em comparação com aqueles que apresentavam um peso saudável (definido como 18,5 – 25 de IMC). A idade em que o excesso de peso acumulado foi considerado um fator determinante e definiu os piores resultados foram entre as pessoas que começaram a ganhar peso em idade mais precoce.

Outro dado importante do estudo mostra que se a pessoa está acima do peso e apresenta dislipidemia, hipertensão arterial e glicose elevada, se ela reduzir o peso de 5-10% (aproximadamente) e realizar 30 minutos de exercícios pelo menos de 5 a 6 vezes por semana (150-180min/semana) haverá uma melhora significativa nas doenças associadas.

 

Próximos passos

O futuro da pesquisa será personalizar as informações, a fim de torná-la mais interessante e relevante para os pacientes. A equipe de investigação está agora realizando um estudo de três anos em farmácias comunitárias em todo o país para envolver pacientes com esse perfil e, em seguida, oferece-lhes um programa de e-saúde via web que irá ajudá-los a adotar estilos de vida mais saudáveis, incluindo dietas ​​e atividade física regular.

Conforme a endocrinologista Dra. Marcela Ferrão, esses modelos clínicos são úteis para alertar os pacientes e profissionais de saúde, além de proporcionar melhor compreensão das questões e os benefícios de um estilo de vida mais saudável.

Fonte: The Lancet Diabetes e Endocrinology