AGENDE UMA CONSULTA
(51) 3024.4665

Estudo intitulado Diabetes and Egg (DIABEGG) realizado com pacientes com sobrepeso ou obesos com diabetes tipo 2 mostrou que aqueles que comeram 12 ovos por semana ou mais (dieta rica em ovos) tiveram níveis de pressão arterial e marcadores de doença cardiovascular semelhantes à aqueles que comiam menos que dois ovos por semana (dieta pobre em ovos) em um ano de investigação. O estudo foi coordenado pelo pesquisador Nicholas R. Fuller do Boden Institute of Obesity, Nutrition, Exercise and Eating Disorders from University of Sydney (Austrália).

De acordo com os pesquisadores, os achados sugerem que é seguro tanto para pessoas com alto risco de diabetes tipo 2 como para aquelas que já tem a doença incluir ovos na dieta alimentar regular.

O professor-adjunto de epidemiologia nutricional da University of Eastern Finland, em Kuopio (Finlândia), Jyrki K. Virtanem, PhD, que não esteve envolvido com a pesquisa, também concorda com os resultados. “A conclusão desse estudo não significa que pessoas com diabetes (ou qualquer outra pessoa) não devam se preocupar quanto aos próprios níveis de colesterol, mas mostra que uma ingestão maior de ovos não teve impacto ruim nos níveis de colesterol da população fonte do estudo”, disse Virtanem.

Em geral, uma dieta com colesterol tem um impacto pequeno nos níveis séricos de colesterol da maioria das pessoas, explicou Virtanen, acrescentando que a qualidade da gordura na dieta, por exemplo, tem um impacto maior.

O número ideal de consumo de ovos por semana depende da genética, da saúde geral, e de uma dieta alimentar completa, disse ele. Muitos estudos atestam que um ovo por dia pode ser adequado para a maioria das pessoas, no entanto, como no estudo atual, até mesmo um consumo maior pode ser adequado.

Achados e diretrizes conflitantes

Em estudos epidemiológicos, nas pessoas com diabetes tipo 2 (mas não a população geral), por exemplo, o maior consumo de ovos associou-se com maior risco para doença cardiovascular (DCV) e mortalidade precoce.

Outros estudos controlados em pessoas com pré-diabetes ou diabetes tipo 2 têm mostrado efeitos favoráveis a um alto consumo de ovos quanto aos fatores de risco metabólicos e cardiovasculares.

Para adicionar à confusão, diferentes países e diferentes sociedades têm distintas recomendações. Por exemplo, em pessoas com diabetes tipo 2, a British Heart Foundation e a Diabetes UK (Reino Unido) não recomendam limitar o consumo de ovo ou colesterol, mas a National Heart Foundation da Austrália recomenda o máximo de seis ovos por semana.

A American Diabetes Association recomendava limitar o consumo de colesterol em 300 mg/dia (um ovo contém cerca de 200 mg de colesterol), mas recentemente eles removeram este limite.

Fonte: Effect of a high-egg diet on cardiometabolic risk factors in people with type 2 diabetes: the Diabetes and Egg (DIABEGG) Study—randomized weight-loss and follow-up phase. Nicholas R Fuller Amanda Sainsbury Ian D Caterson Gareth Denyer Mackenzie Fong James Gerofi Chloris Leung Namson S Lau Kathryn H Williams Andrzej S Januszewski

Link: https://bit.ly/2KfyezC