AGENDAMENTOS - (51) 3024.4665 | (51) 99644.0228

 

Dietas ricas em proteínas são cada vez mais popularizadas na mídia leiga como uma estratégia promissora para a perda de peso. A vantagem está em proporcionar a melhoria da saciedade e diminuição da gordura. A explicação para a à perda de peso associada a dietas de alta proteína envolvem aumento da secreção de hormônios da saciedade (GLP-1), a secreção do hormônio orexígenos e a redução da grelina, que são estimuladores do apetite. Essa dieta também aumenta o efeito térmico dos alimentos e as alterações induzidas pela proteína em gluconeogenesis (responsável pela rota da glicose).

Entretanto, de acordo com recente revisão teórica, existe ressalvas a respeito do tema, pois é preciso estar atento para o aumento da carga ácida para os rins e aumento do teor de gordura de proteína animal. Um consumo elevado de aminoácidos de cadeia ramificada em combinação com uma dieta ocidental pode exacerbar o desenvolvimento da doença metabólica, porque o excesso de proteína. O que é considerado indesejável se a perda de peso é o objetivo.

Dieta de alta proteína a curto prazo

A saciedade sustentada é um componente-chave para induzir um balanço energético negativo e promover a perda de peso. Uma estratégia para a perda de peso ideal seria promover a plena satisfação do apetite e manter a taxa metabólica basal. A saciedade sofre a influência de vários componentes, incluindo, o sistema cognitivo e neural, bem como o sistema gastrointestinal. Essa hierarquia é induzida por macronutrientes semelhante ao observado para a termogénese induzida pela dieta. O aumento da saciedade ajuda a diminuir o consumo de energia, o que é um requisito para o emagrecimento sucedido.

Segundo a endocrinologista Dra. Marcela Ferrão, as dietas ricas em proteínas têm sido demonstradas como uma ferramenta potencial para a perda de peso. As orientações dietéticas gerais para adultos sugerem um intervalo de distribuição de macronutrientes aceitável entre 45 e 65% do total de energia a partir do consumo de carboidratos, de 20 a 35% de gordura e de 10 a 35% de proteína, com uma ingestão diária recomendada de 46 e 56 gramas. A dieta é, portanto, considerada rica em proteínas se for superior a 0,8 g / kg de peso corporal ou a habitual de 15 a 16% da energia total consumida.

Fonte: A High-protein Diet for Reducing Body Fat: Mechanisms and Possible Caveats. Dominik H. Pesta, Varman T. Samuel. 2014, 11.

Link: http://www.nutritionandmetabolism.com/content/11/1/53

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *